Entenda o que é TDD e quais são as suas vantagens
5 250
(11) 96079-5867 contato@contrateumprogramador.com Logo Contrate um Programador

CONTRATE UM PROGRAMADOR

Desenvolvedor especialista em projetos sob medida, 15 anos de experiência, ótimo prazo, centenas de projetos entregues, parcelamos em 12x no cartão

WhatsApp
(11) 96079-5867

Entenda o que é TDD e quais são as suas vantagens

Já parou para pensar na quantidade de variáveis que determinam a qualidade do trabalho de um desenvolvedor? O mercado está o tempo inteiro exigindo de você agilidade com prazos, eficiência de código, iterações constantes e novas funcionalidades.

Contudo, há maneiras de adequar o seu estilo de desenvolvimento a essas demandas que surgem o tempo todo? Tem sim, e se chama TDD.

Veja o que é essa abordagem de programação e como ela pode ajudar você a conquistar clientes ou ganhar posições de mais destaque na empresa. Vamos começar!

O que é TDD (Test-Driven Development)?
TDD é a sigla em inglês para Test-Driven Development, o que se traduz como Desenvolvimento Orientado por Testes. O conceito já mais conhecido no meio é mais como uma abordagem prática na busca por modelos otimizados de trabalho.

É por isso que o TDD é muito utilizado dentro da ideia de desenvolvimento com metodologias ágeis, pois foca nos processos e em um fluxo cíclico e constante de programação.

O seu próprio nome já dá uma boa ideia do que exatamente é um TDD. Desenvolver orientando-se por testes significa definir as barreiras a serem superadas (um teste em que você precisa passar) antes de começar a primeira linha de código.

Assim, você constrói um software ou serviço mirando para o lado certo, com o escopo personalizado em busca da solução que você procura.

Como funciona esse processo?
Vamos destrinchar melhor o que envolve um processo de Test-Driven Development. A ideia principal aqui é inverter a lógica da programação e assim definir com mais precisão seus objetivos.

Funciona assim: quando você vai criar um software novo ou vai adicionar uma funcionalidade a um produto já em funcionamento, geralmente parte direto para construir aquele código — e, com o tempo, ver se está no caminho certo.

No TDD, essa ordem é trocada para que você enxergue a linha de chegada antes de começar a corrida. Imagine que você queira adicionar a funcionalidade de imprimir documentos em um sistema. Em vez de partir para o código, você primeiro cria um teste para ver se a impressão está funcionando.

De primeira, claro, seu software vai falhar. Essa é a ideia. Agora, você tem um objetivo claro: desenvolver a solução que vai passar naquele teste.

Assim, há muito mais foco no desenvolvimento e você pode aproveitar essa agilidade para aprimorar e polir cada nova funcionalidade. Sim, até porque ficar feliz com uma nota 6 só vale para aquela matéria chata da faculdade que você queria muito passar de vez.

A partir do momento em que você consegue superar o teste que criou, já tem uma base ótima para trabalhar na chamada refatoração (refactoring): reescrever a partir da solução encontrada para ter coesão e simplicidade no código.

As etapas do TDD
Dá para resumir a prática do desenvolvimento orientado por testes em 5 etapas fundamentais:

cria-se o código que testará o resultado da nova funcionalidade, o seu teste guia;
aplica-se esse teste ao produto em desenvolvimento para conhecer a falha e criar um objetivo de codificação para alcançar aquele sucesso;
desenvolve-se a funcionalidade, software ou iteração com foco absoluto em passar na avaliação, sem se preocupar com boas práticas ou polimento;
testa-se de novo a solução até que ela seja aprovada no teste (sem, claro, atrapalhar o resultado em outras áreas do código);
refatora-se a nova funcionalidade, ou seja, escreve-se a versão final da solução levando em conta a otimização e qualidade (como passar um rascunho a limpo).
Esse ciclo é conhecido como Red, Green and Refactor. A ideia é exatamente esta: falhar para entender o que é preciso fazer, para então ter sucesso e finalizar o seu código.

Quais os tipos de testes que devem ser feitos?
O ideal no TDD é que os testes sejam o mais específicos possíveis para que você feche bem seu escopo em cada nova funcionalidade. Portanto, a maioria deles será unitária — focar nas menores frações do código.

Mas você sabe muito bem que o desenvolvimento é um processo orgânico: muitas variáveis têm influência umas sobre as outras e uma mudança em algo pequeno pode criar uma cadeia de bugs.

Por isso, é sempre bom contar também com os testes de integração (que analisam como essas frações se relacionam) e de sistema (que garantam que cada nova funcionalidade faça o papel esperado por ela no todo).

Esse equilíbrio só se encontra com experiência, baseado no seu estilo de desenvolvimento, natureza e complexidade do projeto.

Como automatizar esses testes?
Você pode por conta própria gastar um tempinho a mais para automatizar seus testes, principalmente os unitários — e, em retorno, economizar horas de trabalho no futuro.

O ideal aqui é priorizar aquelas avaliações mais comuns, que se repetem com frequência sempre que você vai adicionar algo novo ao código. Inclusive é uma boa ideia até criar um GUI para otimizar seu trabalho.

Quais as vantagens de utilizar o TDD no dia a dia?
Só de entender como esse processo funciona, já ficam claras as vantagens que ele trás para um desenvolvedor, principalmente se ele trabalha por conta própria com seu produto.

Mesmo assim, é bom listar todos esses benefícios para te inspirar a começar uma abordagem TDD o quanto antes. Veja:

uma visão mais objetiva de problemas e oportunidades a serem atacados e o que fazer para alcançá-los;
código limpo e bem escrito, resultado da simplicidade na hora de criá-lo e o tempo para refatorar;
facilidade e segurança para corrigir bugs, já que você trabalha com o código fração por fração;
modularidade e flexibilidade no seu código, proporcionados por essa quebra em pequenos objetivos;
maior produtividade pelo foco na resolução de problemas;
economia de tempo sem perder qualidade de desenvolvimento, com menos bugs para corrigir e menos retrabalho.
Resumindo tudo isso, o Test-Driven Development é um conceito de programação organiza melhor o seu trabalho e permite que você ofereça produtos com muito mais qualidade em muito menos tempo.

Otimização, automação, foco em resultados: qual profissional não se beneficia desse tipo de característica na sua carreira? Adotar o TDD é um passo incrível nessa direção.