Melhores linguagens de programação para devs iniciantes

Melhores linguagens de programação para devs iniciantes

Então, pequeno padawan, você deseja aprender a programar, mas não tem ideia de por onde começar.

Afinal tem tanta gente falando de tanta coisa, de tantas linguagens, e tipos de linguagens que têm diferentes paradigmas, orientação a objetos, orientação funcional.

É realmente muita coisa! Mas não se preocupe, eu vou te ajudar na sua estrada de um grande mestre Jedi na programação.


Conteúdo ocultar
1 O início das linguagens de programação
2 E depois do C?
2.1 Linguagens Compiladas
2.2 Linguagens Interpretadas
3 Funcionalidade e uso das linguagens de programação
3.1 As linguagens mais usadas no mercado
4 Tá, e quais são as melhores linguagens de programação para começar?
5 Em conclusão
O início das linguagens de programação
tela de computador com linguagens de programacao
Vamos começar do básico: De onde elas vieram, para onde elas vão e por que você tem que saber disso? Acalme-se, venha comigo que tudo vai fazer um pouco mais de sentido.

Você já deve ter ouvido falar que os computadores só entendem código binário, o famoso 010101, e isso não é mentira.

O que acontece é que código binário não é fácil, não torna a comunicação humano-computador algo simples.

Imagina ter que escrever um programa todinho em código binário, isso já foi feito com cartões perfurados.

As instruções estavam todas nesses cartões e um furo em lugar errado era sinônimo de ter que reescrever tudo de novo.

Ainda bem que nós evoluímos e em 1948 a primeira linguagem de programação foi criada, a Plankalkül, por Konrad Zuse.

Como na época ainda não havia muita utilidade, a linguagem logo caiu no esquecimento. Até que na década de 50 foram criadas as linguagens FORTRAN, LISP e COBOL, mas você nunca deve ter ouvido falar nelas.

Bem, elas não são mais utilizadas como eram naquela época. Sem contar que todas elas são muito baseadas ainda na matemática.

A grande evolução veio em 1972 quando foi criada a linguagem de programação C. Atualmente ela é muito utilizada para fazer sistema de computador.

O Windows que você pode estar usando, por exemplo, é escrito em C. Ela também é chamada de a mãe das linguagens modernas. Afinal, muitas das linguagens modernas, senão todas, são escritas em C.

>>Leitura Recomendada:
Leia nosso artigo com dicas de estudos para devs iniciantes.

E depois do C?
tela de computador com linguagens de programacao
Depois do C, vieram outras evoluções da mesma linguagem, o C++ e muito mais tarde o C# (pronunciado “cê” “xarp”).

Ambas foram criadas para trazer melhorias à anterior. As três, estou incluindo o C aqui, são linguagens interpretadas. Ou seja, você tem que usar um compilador para que o computador compreenda.

“Com…” o quê? Compilador, pequeno Padawan. Um compilador nada mais é que um programa que traduz a linguagem de programação de alto nível (a grosso modo, uma linguagem que a gente compreenda) para uma linguagem de baixo nível (compreendida pela máquina).

Não vou entrar em detalhes quanto a compiladores aqui, já que não é esse o intuito do texto.

O que é importante para você saber é que compiladores existem e que há linguagens de programação que usam compiladores e outras que não.

Às primeiras dá-se o nome de linguagens compiladas, às segundas (que não utilizam) chamamos de linguagens interpretadas.

>>Leitura Recomendada:
Curioso para saber mais sobre o compilador? Leia nosso artigo sobre métodos de tradução.

Linguagens Compiladas
Tá, então o que são linguagens compiladas e quais são elas?

Linguagens compiladas, como tá ali em cima, são linguagens que necessitam de um programa específico para “traduzir” elas para a linguagem de máquina.

Essas linguagens são diretamente executadas pelo sistema operacional (S.O.) ou pelo processador.

A compilação das linguagens traz algumas vantagens.

Uma delas é na hora de programar. Os erros de programação aparecem entre a compilação e a execução.

Se houver algum erro de programação, o seu código não será compilado, não será executado e o compilador vai te dizer que tem algum erro em algum lugar.

Outro benefício que as linguagens compiladas trazem é a de maior proteção da propriedade intelectual do programador.

Isso não quer dizer que não seja possível fazer o mesmo com linguagens interpretadas. Tudo depende de como você escreve o seu código.

Por último temos que, por a análise do código não precisar ser feita durante a sua execução, essas linguagens costumam ter seu tempo de execução menor.

Ou seja, seu programa, bem a grosso modo, pode ficar mais rápido, mas lembre-se esse não é o único fator para seu programa ser mais rápido.

Dentre as linguagens compiladas mais comuns (ou as que me veem à cabeça agora) temos Java, C, C++, C#, Delphi e Visual Basic. Claro que existem outras, muitas outras, mas não vou citar todas elas aqui.


Linguagens Interpretadas
Ao contrário das compiladas, as linguagens interpretadas não são diretamente executadas pelo processador ou pelo S.O.

Elas são executadas através de um programa chamado interpretador e em seguida é executada pelo sistema. Ou seja, ela não é diretamente executada pelo software utilizado.

Linguagens compiladas podem, muitas vezes, ter as mesmas vantagens de linguagens interpretadas.

Isso porque algumas das vantagens trazidas pelas linguagens interpretadas não são causadas pela interpretação em si.

Uma das vantagens que são apresentadas, na verdade são mais possibilidades do que algo certo, é a da possibilidade de poder rodar em várias plataformas.

Outra vantagem, que pode não ser de interesse da maior parte das pessoas, é que é mais fácil fazer um interpretador do que um compilador. Especialmente se este interpretador for para uma linguagem dinâmica.

Dentre as linguagens interpretadas mais comuns, nós temos: JavaScript (EcmaScript), Python, PHP, Ruby, entre outras.

Normalmente, linguagens de script são linguagens interpretadas. Estas linguagens são aquelas executadas dentro de programas como o powershell ou linha de comando do Windows, ou o terminal do Linux/Mac.

Funcionalidade e uso das linguagens de programação
tela de computador com linguagens de programacao
Linguagens não tem funcionalidade certa. Uma linguagem de programação é uma ferramenta de comunicação com a máquina.

Logo, você não precisa necessariamente usar ela para somente um propósito.

Por exemplo, martelos não são feitos só para construir casas, ou para pregar quadros. Um martelo pode ter inúmeras funções e é uma forma de fazer algo.

Contudo, da mesma forma que eu posso usar uma chave de fenda para pregar, ela nunca será tão eficaz quanto um martelo, que foi desenhado para aquele propósito.

Assim, nós temos com as linguagens de programação. Existem linguagens que foram feitas para serem usadas no meio científico, como Python e R.

Ambas são normalmente utilizadas para fazer inteligências e cálculos. Isso, entretanto, não impede, que Python, por exemplo, seja usada na Web.

De fato, Python é utilizada na Web a través de frameworks (papo para outro artigo) como Django, mas não é a melhor, nem a mais otimizada para isso.

Para web nós costumamos contar com linguagens como JavaScript e PHP que foram moldadas para trabalhar na Web.

De fato, o PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web na parte de comunicação com os servidores (o famoso, back-end).

O JavaScript, por sua vez, é bem utilizado em interfaces (o famoso front-end) e na interação com o usuário (outro papo para outro artigo).

Ela é uma, se não a única, linguagem que tem essa função, em conjunto com seus inúmeros frameworks.

Outras linguagens podem ser usadas na Web, ou em outras muitas funções, mas como você deve ter percebido podem existir opções melhores.

As linguagens mais usadas no mercado
Tudo isso é muito legal, mas vamos começar a entrar no que é interessante. Quais são as linguagens mais utilizadas no mercado brasileiro agora em 2019?

Segundo o site Computer World: em Janeiro de 2019, as linguagens mais populares eram: Java, C, Python, C++, Visual Basic.Net, JavaScript, C#, PHP, SQL e Objective-C.

Como dito anteriormente, uma linguagem pode ter mil e uma utilidades. Olhando para JavaScript, que não só é utilizada no front-end, mas também no back-end.

O C#, que é muito utilizada para construção de jogos, mas também pode ser utilizada na web através do Dot Net.

>>Leitura Recomendada:
[2019] 10 certificações em TI muito valorizadas hoje

Tá, e quais são as melhores linguagens de programação para começar?
tela de computador com linguagens de programacao
Tendo todas as informações necessárias, vamos partir para os finalmentes. Você que é novo nisso tudo ainda deve estar se perguntando por onde você deve começar.

Desculpa por dar essa resposta, mas para essa pergunta a resposta só depende de você. Por quê? Bem, depende do seu objetivo.

Eu tenho um professor que fala muito que a melhor linguagem de programação é a linguagem que dá dinheiro.

Ele não está exatamente errado se você tem como único objetivo ganhar dinheiro, mas se você quer fazer outra coisa, você pode ter uma linguagem que seja melhor começar sim.

Por quê? Porque existem outros aspectos das linguagens além do seus usos, se são compiladas ou não e do quanto elas são usadas no mercado.

Existem linguagens que são mais fáceis de aprender, mas que não seguem exatamente o mesmo padrão de outras, como Python.

Existem linguagens que são mais difíceis para um iniciante, mas se você entender ela você entende todo o resto, como C.

Também há aquelas que são guiadas por um único paradigma (Orientação a Objetos), como Java e C#.

Na minha opinião, elas não são as melhores para um iniciante, mas muita gente começa com elas.

Afinal, são duas das linguagens mais utilizadas no mundo, já que seu paradigma (OO) é, também, amplamente utilizado.

O que eu indico? Bem, eu comecei com JavaScript e JavaScript, apesar de ser um linguagem linda (eu tinha que puxar a sardinha pro meu lado, claro), saber ela por si só não é o mais comum para arranjar um emprego.

O padrão para conseguir um emprego trabalhando com JavaScript, é aprender sobre algum framework front-end (Vue, React ou Angular), ou até o NodeJS (que é uma plataforma para escrever JavaScript).

Além do framework e do possível uso de uma outra plataforma de codificação você provavelmente vai ter que saber HTML e CSS também.


Em conclusão
Para ser bem sincera, a maior parte das vagas de emprego vai exigir que você saiba um ou dois frameworks, então é difícil fugir deles.

O que você realmente tem que levar em consideração é se você quer um desafio ou não.

Se você quiser um desafio e tem como foco trabalhar em construção de sistemas operacionais ou microprocessadores, vai com C e C++.

Agora se você quer um super desafio e não se incomoda em ter que aprender uma ou duas coisas a mais, JavaScript é pra ti.

Mas tenha em mente que ela é uma das linguagens mais difíceis de se manter atualizado e, não à toa, uma das mais procuradas no mercado.

Python e PHP também são ótimas para quem quer aprender logo e não quer enrolar com conceitos muito complexos logo de cara.

Claro que as complexidades vão aparecer e sempre aparecem nas linguagens. Existem, entretanto, aquelas que amaciam a sua entrada neles e aquelas que te empurram eles como se não houvesse amanhã.

Então é isso, meus queridos.

Até a próxima.